Etanol fica mais barato e segue vantajoso, em relação à gasolina, para o dono de carro flex

Preços dos combustíveis estacionam, nos primeiros dias de maio.

Dados da Agência Nacional do Petróleo indicam que o litro foi vendido a três reais e 84 centavos, na média da semana passada.

Um centavo a menos que na semana anterior.

O resultado encerrou uma sequência de altas, que fez o preço do combustível aumentar 26 centavos, em abril.

A gasolina também ficou mais cara no mês passado, mas o avanço foi menor: de cinco e 74 para cinco e 84 o litro.

E esse valor, de cinco e 84, se manteve nos primeiros dias de maio.

Na média, o etanol segue vantajoso, para quem tem carro flex.

Especialistas explicam que, normalmente, o carro abastecido com ele roda cerca de 30 por cento menos.

Só que a gasolina está 52 por cento mais cara.

Os preços, porém, mudam de uma região do país para outra.

Sem falar que a diferença de consumo entre os combustíveis também pode variar de acordo com o carro, o motor e o tipo de uso, por exemplo.

Por isso, cabe a cada um fazer as contas antes de abastecer.

O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu nesta quarta-feira (22), por unanimidade, que existe a prática do chamado assédio judicial contra jornalistas e veículos de imprensa.

Como forma de evitar essa intimidação e abusos, os ministros aprovaram, por maioria de votos, uma tese com garantias aos profissionais alvos da conduta.

A prática do assédio judicial é usada para constranger profissionais do jornalismo pelo trabalho que exercem. É feita com o ajuizamento de muitas ações contra uma mesma pessoa, sobre o mesmo fato, em locais diferentes do país. Nessa situação, o jornalista tem seu direito de defesa prejudicado ou até mesmo inviabilizado.

Pela tese aprovada, o alvo dessas ações poderá pedir a reunião de todos os processos no foro judicial do lugar em que morar.

A tese também estabelece que jornalistas ou veículos de imprensa só podem ser responsabilizados em caso “inequívoco de dolo ou culpa grave”. A culpa, no caso, refere-se a “evidente negligência profissional na apuração dos fatos”.

A tese fixada foi a seguinte:

““1. Constitui assédio judicial comprometedor da liberdade de expressão o ajuizamento de inúmeras ações a respeito dos mesmos fatos, em comarcas diversas, com o intuito ou o efeito de constranger jornalista ou órgão de imprensa, dificultar sua defesa ou torná-la excessivamente onerosa. 2. Caracterizado o assédio judicial, a parte demandada poderá requerer a reunião de todas as ações no foro de seu domicílio. 3. A responsabilidade civil de jornalistas ou de órgãos de imprensa somente estará configurada em caso inequívoco de dolo ou culpa grave (evidente negligência profissional na apuração dos fatos).”

A proposta foi apresentada pelo presidente do Supremo, ministro Roberto Barroso, e teve a concordância de sete ministros.

Alexandre de Moraes, Dias Toffoli e Flávio Dino divergiram pontualmente, quanto à inclusão de “culpa grave”. Eles defendiam que bastava “culpa”. Dino só votou quanto à tese porque sucedeu a Rosa Weber (hoje aposentada), que já havia votado no caso.

O caso

O tema foi discutido em duas ações, cujo julgamento foi retomado na quinta-feira (16). A análise havia começado em setembro de 2023, ocasião em que votou a ministra Rosa Weber (hoje aposentada).

Os processos foram movidos pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

Pesquisa divulgada no final de abril pela Abraji mostrou a existência de 654 processos que tramitam em varas de todo o país relativos a 84 casos de assédio judicial contra profissionais da imprensa.

O relatório definiu assédio judicial como “o uso de medidas judiciais de efeitos intimidatórios contra o jornalista, em reação desproporcional à atuação jornalística lícita sobre temas de interesse público”.

Votos

O voto de Barroso foi apresentado na quinta (16). Segundo o ministro, o STF tem entendido que a liberdade de expressão é uma liberdade preferencial no Estado democrático de Direito e que, para superá-lo é preciso um “ônus argumentativo maior para se defender uma tese oposta”.

Para Barroso, uma vez caracterizado o assédio judicial, deve prevalecer como foro competente para a analisar o processo o domicílio do réu, “que é a regra geral do direito brasileiro”.

Rosa Weber propôs estabelecer uma série de elementos para se admitir a responsabilização de jornalistas ou da imprensa na Justiça, para fins de indenização.

Seria necessário, por exemplo, comprovar a disseminação deliberada de desinformação, manipulação de grupos vulneráveis, ataque doloso à reputação de alguém ou apuração negligente dos fatos.

Para a ministra, também pode haver condenação para a veiculação de ameaça, intimidação, incitação ou comando à de guerra, guerra civil ou insurreição armada ou violenta e, ainda, apologia ao ódio nacional, racial ou religioso.

O Concurso Público Nacional Unificado (CNPU) já tem nova data de aplicação das provas: 18 de agosto. O cartão de confirmação de inscrição, com os detalhes sobre os locais de provas, será divulgado em 7 de agosto.

A informação foi divulgada pelo Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) na manhã desta quinta-feira (23).

A prova tem mais de 2,1 milhões de candidatos inscritos que vão disputar 6.640 vagas em 21 órgãos da administração pública federal. Salários iniciais podem chegar a R$ 22,9 mil. O cronograma completo será divulgado pelo governo federal, em breve.

Em comunicado, o Ministério da Gestão garante que os mais de 18,7 mil malotes de provas foram recolhidos em todo o Brasil para um local seguro. Os malotes foram checados, um a um, por membros da rede de segurança, e não foi identificada qualquer violação ao material.

Tragédia no Sul
Inicialmente, as provas ocorreriam em 5 de maio. No entanto, dois dias antes do evento, em 3 de maio, o governo federal adiou o concurso, por causa das fortes chuvas que atingiram quase 95% (468, dos 497) dos municípios gaúchos. Desde o fim de abril, a tragédia já provocou 163 mortes, além de alagamentos e prejuízos ainda não calculados.

Locais de provas
Com a remarcação das provas, o Ministério precisará confirmar a disponibilidade de cada um dos locais de aplicação do certame nacional novamente. A prioridade do MGI será manter os endereços definidos anteriormente. Especificamente sobre os municípios do Rio Grande do Sul, o Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos fará tratativas para garantir o acesso de todos os inscritos no estado.

Em 7 de agosto, o candidato poderá acessar novamente o cartão de confirmação de inscrição do concurso para checar se o local da prova foi mantido ou alterado. O documento com detalhes da inscrição estará disponível na Área do Candidato, no mesmo site em que o cidadão fez a inscrição.

Para acessar, é preciso fazer login e senha do portal do governo federal, o Gov.br. As provas serão aplicadas nas 27 unidades da federação pela Fundação Cesgranrio.

Na madrugada desta quinta-feira, 23, a Força Tática do 17º Batalhão de Polícia Militar (BPM) agiu rapidamente após receber informações sobre um furto. O crime resultou na subtração de uma TV, um celular e R$ 200,00 (Duzentos Reais). Com base nas descrições fornecidas, a equipe policial iniciou diligências e conseguiu localizar o suspeito no bairro São Francisco.

Durante a abordagem, a polícia recuperou a televisão furtada. O acusado revelou que havia trocado o celular e o dinheiro por drogas. Além da TV, foram apreendidos uma arma de fogo (garruncha) e uma faca.

O suspeito e os itens recuperados foram encaminhados à 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil (DRPC) para os procedimentos legais.

Objetos Apresentados na Delegacia:

  • 01 Arma de fogo (garruncha)
  • 01 Faca
  • 01 TV Panasonic com controle

Nesta quarta-feira (22), durante a celebração de formatura do Parfor, o prefeito de Codó, Dr. Zé Francisco, anunciou o pagamento da primeira parcela do 13º salário no mês de junho, além do abono e do salário do mês para os professores da rede municipal de ensino de Codó.

“Eu ia guardar esse segredo, mas vou revelar: no mês de junho vai ter metade do décimo terceiro, vai ter o salário de junho e mais abonos salariais dos nossos professores,” anunciou o gestor.

 

O pagamento do décimo terceiro salário e do abono representa um reconhecimento do prefeito ao esforço e dedicação dos educadores de Codó, além de um incentivo para a continuidade do trabalho de qualidade nas escolas municipais.

Dr. Zé Francisco participou da cerimônia de formatura da turma de 2018.1 do Parfor, um programa realizado em parceria com a Universidade Federal do Maranhão (UFMA). O evento aconteceu no polo da UFMA em Codó e contou com a presença de 22 discentes que receberam seus diplomas de primeira ou segunda licenciatura.

A Prefeitura Municipal de Codó, em parceria com o Sebrae e a Sala do Empreendedor, está realizando a Semana MEI de 21 a 24 de maio. O evento oferece uma série de atividades gratuitas para microempreendedores individuais (MEIs), com o objetivo de impulsionar o crescimento dos seus negócios.

A Semana MEI é um evento promovido pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) que oferece uma série de atividades voltadas para microempreendedores individuais (MEIs).

A abertura em Codó teve início na manhã desta terça-feira dia 21.05 , na Sala do Empreendedor localizada no Prédio da Associação Comercial, onde foi realizada pela manhã Consultorias Individuais e a tarde Workshop sobre Financias e Acesso ao Crédito com o Consultor Caio Motta.

Durante a Semana de 21 a 24 acontece uma variedade de ações para você Empreendedor incluindo ,Palestras, Workshops, Oficinas e sessões de consultoria gratuita, focando em temas específicos como Compras Governamentais, Financias e acesso ao Crédito e Como ser MEI e seus benefícios, tudo isso para trazer a você Empreendedor estratégias de crescimento para o seu negócio.

SOBRE O AUTOR:

Comunicador e Jornalista formado pelo Centro Universitário do Maranhão.

DRT – 2083/MA

E-mail: sampaiowellyngton@gmail.com
Contato/ Whatsapp: (99) 98540-7358


Estamos no Instagram

Estamos no Facebook

Divulgue sua marca aqui

Publicidade

 

 

Publicidade