“Restos mortais de bebê morto queimado em ritual satânico ainda não foram encontrados” diz delegado em Teresina

O delegado Antônio Barbosa, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente informou em entrevista ao Bom Dia Meio Norte nesta terça-feira (22/03), que a polícia ainda não conseguiu encontrar nenhum resto mortal do pequeno Wesley Carvalho Ferreira, de 1 ano e 9 meses, morto durante um ritual satânico realizado pelos próprios familiares.

De acordo com o delegado, foram registradas muitas contradições no depoimento dos familiares.

“Quando começamos essa investigação a gente não descartou nenhuma das linhas, a gente averiguou a versão dada por eles que teria sido sequestrado, verificamos a questão da criança ter sido vendida, doada para alguém, só que nenhuma dessas versões trouxeram elementos para os autos no sentido de serem procedentes. A própria família trouxe a morte da criança para os autos e que teria ocultado o cadáver. Mesmo com algumas contradições a versão que eles dão é essa que a criança teria sido morta durante um evento religioso e que esse corpo teria sido ocultado em uma caeira”, declarou.

Antônio Barbosa disse ainda que vários exames complexos foram feitos no local, mas nenhum resto mortal do bebê foi encontrado.

“Nós já fizemos diversas diligências no local apontado por eles juntamente com a perícia, foram aplicados produtos, realizados exames bem complexos lá no local e nada foi  constatado, nenhum vestígio de que a criança tivesse sido enterrada naquele local. A investigação está trabalhando”, completou.

“O ideal seria que a gente encontrasse o corpo porque o corpo é o corpo de delito que comprovaria sem sombra de dúvidas a materialidade, só que a própria legislação processual penal e os tribunais brasileiros entendem que existe homicídio sem cadáver, porque se não existisse seria muito fácil o indivíduo praticar um homicídio e depois ocultar bem o cadáver e  o fato ficar impune. A gente trabalha não só com a prova direta, mas também com indícios apontando nesse sentido de que a criança estaria morta”, disse.

Sobre a apreensão do suposto profeta, o delegado declarou: “A gente tem elementos que ele pode ter induzido a família a praticar esses atos, terem se unido para praticar esse atos, mas não é nada confirmado, a gente trabalha com várias possibilidades”, finalizou.

Com informações 180 graus

WhatsApp

Entre e receba notícias do dia.

Canal WhatsApp

Entre em nosso canal no WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR:

Comunicador e Jornalista formado pelo Centro Universitário do Maranhão.

DRT – 2083/MA

E-mail: sampaiowellyngton@gmail.com
Contato/ Whatsapp: (99) 98540-7358


Estamos no Instagram

Estamos no Facebook

Divulgue sua marca aqui

Publicidade

 

 

Publicidade